Chablis - onde a Chardonnay reina!

Chablis - onde a Chardonnay reina!

A região vitivinícola de Chablis é o verdadeiro paraíso da casta Chardonnay. Localizada no caminho entre Paris e Beaune, contempla cerca de 5000 hectares, no vale do rio Serein, ao Norte da Borgonha. Região desafiadora, que enfrenta geadas e utiliza aspersores e aquecedores para proteção dos vinhedos.

O clima continental proporciona temperaturas muito baixas no inverno, seguidas de geadas de primavera e verões quentes. Essas condições moldam o caráter único dos vinhos Chablis, aliadas a um solo incomum, Kimmeridgiano, que não é encontrado em nenhum lugar do mundo, exceto no sul da Inglaterra.  

Seus vinhos são conhecidos por um caráter austero, acidez alta, em pleno equilíbrio e incontestável elegância. O destaque é para as deliciosas notas de maçã verde, frutas cítricas, pedra molhada e até nuances metálicas, dependendo da localização dos vinhedos, entre outros fatores. 

Chablis possui 4 apelações de origem controladas, classificação estabelecida em 1938:

  • Petit Chablis: categoria mais simples, geralmente elaborados com uvas de menor maturação, provenientes  do sopé das colinas. Consequentemente, são os vinhos mais baratos da classificação, mas que carregam indiscutível qualidade;
  • Chablis: segunda categoria, os mais conhecidos, originários de vinhedos normalmente da base das colinas, ou seja, com uvas com maior maturação e qualidade;
  • Premier Cru: vinhos de valor agregado maior, elaborados com uvas provenientes do centro das colinas, com alta concentração mineral;
  • Grand Cru: os mais caros e difíceis de encontrar, elaborados com as melhores bagas. São  sete sub-regiões permitidas para a sua elaboração, que deve ser feita com as melhores bagas, que passam por uma seleção extremamente minuciosa. São vinhos de longa guarda, que se revelam expoentes ao passar dos anos, ultrapassando uma década.

 

Os Petit Chablis e os Chablis normalmente apresentam alta intensidade de fruta verde e acidez, enquanto os Premier Cru e Grand Cru apresentam maior concentração, corpo e maturação. Todos são brancos secos.

Harmonizar estes vinhos não é tarefa árdua, bem ao contrário, é um verdadeiro deleite. Mas claro, vale a atenção aos detalhes. É evidente que frutos-do-mar (como ostras) são escolhas certeiras. Para entradas ou pratos menos requintados, o Petit Chablis é uma ótima compania. Já, um Chablis, pede um prato mais elaborado, e as demais classificações assim continuam. Sugestões são: mariscos ao bafo com ervas frescas, camarão no tucupi, escargots à la bourguignone, entre outras.

04 de Julho de 2022

Últimos posts

Chablis - onde a Chardonnay reina!

A região vitivinícola de Chablis é o verdadeiro paraíso da casta Chardonnay. Localizada no caminho entre Paris e Beaune, contempla cerca de 5000 hectares, no vale do rio Serein, ao Norte da Borgonha. Região desafiadora, que enfrenta geadas e utiliza aspersores e aquecedores para proteção dos vinhedos.O clima continental proporciona temperaturas muito baixas no inverno, seguidas de geadas de primavera e verões quentes. Essas condições moldam o caráter único dos vinhos Chablis, aliadas a um solo incomum, Kimmeridgiano, que não é encontrado em nenhum lugar do mundo, exceto no sul da Inglaterra.  Seus vinhos são conhecidos por um caráter austero, acidez alta, em pleno equilíbrio e incontestável elegância. O destaque é para as deliciosas notas de maçã verde, frutas cítricas, pedra molhada e até nuances metálicas, dependendo da localização dos vinhedos, entre outros fatores. Chablis possui 4 apelações de origem controladas, classificação estabelecida em 1938:Petit Chablis: categoria mais simples, geralmente elaborados com uvas de menor maturação, provenientes  do sopé das colinas. Consequentemente, são os vinhos mais baratos da classificação, mas que carregam indiscutível qualidade;Chablis: segunda categoria, os mais conhecidos, originários de vinhedos normalmente da base das colinas, ou seja, com uvas com maior maturação e qualidade;Premier Cru: vinhos de valor agregado maior, elaborados com uvas provenientes do centro das colinas, com alta concentração mineral;Grand Cru: os mais caros e difíceis de encontrar, elaborados com as melhores bagas. São  sete sub-regiões permitidas para a sua elaboração, que deve ser feita com as melhores bagas, que passam por uma seleção extremamente minuciosa. São vinhos de longa guarda, que se revelam expoentes ao passar dos anos, ultrapassando uma década. Os Petit Chablis e os Chablis normalmente apresentam alta intensidade de fruta verde e acidez, enquanto os Premier Cru e Grand Cru apresentam maior concentração, corpo e maturação. Todos são brancos secos.Harmonizar estes vinhos não é tarefa árdua, bem ao contrário, é um verdadeiro deleite. Mas claro, vale a atenção aos detalhes. É evidente que frutos-do-mar (como ostras) são escolhas certeiras. Para entradas ou pratos menos requintados, o Petit Chablis é uma ótima compania. Já, um Chablis, pede um prato mais elaborado, e as demais classificações assim continuam. Sugestões são: mariscos ao bafo com ervas frescas, camarão no tucupi, escargots à la bourguignone, entre outras.

04 de julho - 2022
Chablis - onde a Chardonnay reina!

Degustação Vertical?

Você já parou para pensar em tudo que envolve organizar uma degustação? Ou mesmo, o quanto cada detalhe pode interferir drasticamente na avaliação sensorial de um vinho?Nós, sommeliers e curadores de vinhos, temos que estar atentos aos mínimos detalhes.Eis que nos deparamos com técnicas distintas, que podem expressar de forma mais evidente as particularidades de cada rótulo.  O nosso tema de hoje é a famosa - Degustação Vertical! =)Nessa técnica trabalhamos com o mesmo vinho (mesma uva, produtor, … ), porém de diferentes safras, afinal as condições climáticas por si só são suficientes para influenciar nas características dos vinhos, seguidas pela idade e fatores que envolvem o próprio terroir.Alguns vinhos quando jovens, como um Barolo, não estarão prontos para ser consumidos. Porém, degustando safras mais antigas, nota-se a sua ótima evolução. É nesse sentido que a Degustação Vertical atua -  avaliar um mesmo vinho em diferentes safras, para acompanharmos (e nos beneficiarmos) de sua evolução. Não para por aí, é também um momento para avaliar a evolução de qualidade do produtor.A cada garrafa aberta, temos uma nova surpresa! Aos que nunca tiveram essa experiência incrível, recomendamos fortemente! Nós continuaremos com as nossas! =)

14 de junho - 2022
Degustação Vertical?

Panorama da vitivinicultura mundial de 2021!

Recentemente, o Diretor Geral da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), Pau Rocca, anunciou um panorama da vitivinicultura mundial da safra 2021.Além de sermos apreciadores natos de vinhos, é importante acompanharmos as atualidades e o movimento do setor, por isso resolvemos compartilhar um breve resumo com vocês. Apesar de no Brasil o comércio e consumo de vinhos ter apresentado um efeito boom em 2020, muito impulsionado pela pandemia, nos demais países vitivinícolas este comportamento diferiu, com registros de menor consumo, produção e comercialização de vinhos e derivados. Entretanto, conforme os dados apresentados recentemente, o ano de 2021 marcou uma recuperação parcial do consumo global após a crise sanitária de 2020 e um impulso do comércio internacional, que teve um recorde acima do esperado em volume e valor. De qualquer forma, o cenário de 2022 ainda é incerto por diversos motivos, como a crise da cadeia de suprimentos, a guerra na Ucrânia, variantes de COVID-19 e o aumento dos preços da energia, entre outros.A produção mundial de vinhos em 2021 foi estimada em 260 milhões de hectolitros, com um decréscimo em torno de 1% em relação à 2020. As exportações globais de vinhos apresentaram um aumento de 4% em relação a 2020. A Espanha foi o país que mais exportou em volume, representando 21% do mercado global. Os maiores contribuintes para este crescimento do comércio mundial foram a Espanha, a Itália, a África do Sul e a França. Entre os principais países exportadores, apenas a Austrália, a Argentina e os Estados Unidos registraram reduções em relação aos volumes de exportação comparados ao ano de 2020.O vinho engarrafado (em embalagens menores que 2 litros) representou cerca de 53% do volume de comércio global, comportamento similar ao observado nos últimos 10 anos. Essa categoria aumentou 6% em volume e 13% em valor face a 2020. Entre os principais países exportadores, a quota das exportações de vinho engarrafado foi superior em volume, em Portugal (80%), Alemanha (73%) e França (70%). Os vinhos engarrafados constituíram 69% do valor total dos vinhos exportados em 2021 em todo o mundo.  O vinho espumante foi a segunda maior categoria mais expressiva em valor (+35%), depois do vinho tranquilo. As motivações para tal comportamento são justificadas pela reabertura dos canais HoReCa (hotéis, restaurantes, cafés) e a volta dos convívios sociais e eventos comemorativos. Já, em relação às exportações de vinho a granel (em recipiente maiores que 10 litros), em 2021 aumentaram 5% em volume face a 2020, mas registaram uma diminuição no valor das exportações. Entre os principais exportadores, encontra-se o Canadá (99%), a Espanha (56%) e a Austrália (55%). Embora o vinho a granel represente 33% do volume total das exportações mundiais de vinho, ele compreende apenas 7% do valor total das exportações de vinho. Em 2021, novamente, o comércio internacional de vinhos foi dominado por três países da União Europeia, a Espanha, a Itália e a França, que juntos exportaram 54% do volume total mundial de exportação de vinho.Já, em relação às importações, a Alemanha, os Estados Unidos e o Reino Unido conquistaram as três primeiras posições em termos de volumes de vinho importado. Juntos correspondendo a 38% do total mundial, equivalendo a 13,1 bilhões de euros.Para mais informações, acessem o link a seguir: https://www.oiv.int/js/lib/pdfjs/web/viewer.html?file=/public/medias/8778/eng-state-of-the-world-vine-and-wine-sector-april-2022-v6.pdfSaúde! 

06 de maio - 2022
Panorama da vitivinicultura mundial de 2021!

Vinho x Mudanças Climáticas

Cientificamente é comprovado - as mudanças climáticas estão acontecendo. Mas, será que afetam a qualidade do vinho? Temos que admitir, a resposta é SIM. A viticultura é uma ciência altamente dependente do clima, portanto, o impacto é perceptível.O que são as mudanças climáticas?São transformações a longo prazo nos padrões de temperatura e clima. Podem ser naturais, como as variações no ciclo solar. Mas, as atividades humanas são o principal impulsionador de tais mudanças, principalmente devido à queima de combustíveis fósseis como carvão, petróleo e gás.O maior impacto é o aumento das temperaturas, consequentemente, ocorre maior evapotranspiração, aumentando a probabilidade de estresse hídrico da planta. Além desse, outros efeitos incluem mudanças na distribuição das chuvas, maior variabilidade e frequência de eventos climáticos extremos.Em regiões de temperaturas mais quentes, o ciclo da videira é mais rápido. A brotação ocorre mais cedo na primavera e as fases do ciclo se antecipam. O aumento da temperatura acelera a taxa de acúmulo de açúcar e redução da acidez, mas não acelera o amadurecimento da maioria dos compostos de aromas e taninos. Os efeitos sobre os compostos aromáticos são complexos, mas é provável que, à medida que as temperaturas aumentam, ocorra uma mudança no perfil aromático de uvas de certas regiões. Algumas podem ficar muito quentes para determinadas castas, sendo necessário cultivar uvas diferentes, principalmente as de maturação tardia, para continuar a fornecer vinhos equilibrados. Embora o aumento de temperatura seja problemático para uma boa parcela das regiões vitivinícolas, existe potencial para  o aumento de qualidade e rendimento em regiões e/ou países que anteriormente eram muito frios para amadurecer as uvas. Certas regiões vinícolas, como parte da Califórnia e da África do Sul, estão demonstrando problemas significativos com temperaturas excessivas e/ou secas, inclusive incêndios florestais mais extremos (responsáveis pelo famoso aroma indesejado - smoke taint, que demanda um trabalhoso monitoramento). Inclusive, estima-se que alguns vinhedos em muitos dessas regiões serão abandonados nos próximos 50 - 100 anos. Mesmo em regiões que normalmente apresentam níveis adequados de chuvas, o aumento da pluviosidade e umidade em épocas indesejáveis ​​do ano, como pouco antes do período de colheita, pode desencadear o desenvolvimento de doenças na planta.Já, o aumento da frequência de eventos climáticos extremos e erráticos é problemático para todas as regiões, como a ocorrência de tempestades, furacões, inundações, geadas fora de época e ondas de calor, que podem reduzir substancialmente os rendimentos ou a qualidade da uva. O que fazer?Muitos vitivinicultores já começaram a agir, tanto para mitigar as mudanças climáticas quanto para melhor se adaptar aos efeitos das mesmas, através da prática de técnicas sustentáveis, usando recursos de energia renovável e da viticultura sustentável.Os produtores de vinho são apenas parte do cenário. Um futuro sustentável para o vinho requer ação em todas as etapas da cadeia de suprimentos. O transporte e a embalagem estão entre as maiores fontes de emissões de CO2. Nesse sentido, diversos estudos científicos para mitigar os efeitos e viabilizar opções estão em andamento. De forma geral, mundialmente existe um movimento de redução das emissões, adaptação aos impactos climáticos e financiamento dos ajustes necessários.Em resumo:A seleção do local, escolha da variedade adequada e a eficácia de diferentes técnicas de manejo são fatores importantes a serem considerados antes do plantio de vinhedos.

10 de abril - 2022
Vinho x Mudanças Climáticas

Carregando posts...

Fim do conteúdo

Fim do conteúdo

Vinho do dia
Descubra o vinho do dia
Abrir vinho do dia
Babylon's Peak
9/Ago

Babylon's Peak

Busy Bee Pinotage 2020

Saiba mais

Cadastre seu e-mail e receba descontos e promoções

Fechar
VinumDay

Seja bem-vindo

Você ganhou R$20 de desconto em sua primeira compra.

Deixe seu e-mail para receber o cupom.