Degustação

Já ouviu falar sobre os vinhos veganos?

Os chamados vinhos veganos se encaixam na própria definição de veganismo pela The Vegan Society: “o veganismo é uma forma de viver que busca excluir, na medida do possível e do praticável, todas as formas de exploração e de crueldade com animais, seja para alimentação, vestuário ou qualquer outra finalidade”. Você pode estar se perguntando, se o vinho é produzido pela fermentação de uvas, então, ele não é consequentemente vegano? Essa resposta vai depender dos ingredientes usados nos processos de vinificação, mais precisamente dos agentes clarificadores. Vamos entender melhor.A produção dos vinhos pela ótica veganaPodemos dizer, superficialmente, que na elaboração do vinho, o processo é simples: leveduras transformam os açúcares do suco de uva em álcool. Como não há restrições sobre o consumo de fungos (leveduras), o vinho parece combinar perfeitamente com a alimentação vegana. Porém, a ressalva acontece devido a um dos processos finais, a clarificação. A clarificação é o processo de purificação do vinho, quando um clarificador ou agente filtrante é adicionado ao tanque ou barril. Basicamente, é acrescentar ao vinho uma proteína, que atrai e decanta os resíduos sólidos, que não são prejudiciais, mas, se não os retirarmos, o vinho ficaria turvo, e não translúcido e brilhante. Muitas vinícolas adicionam ingredientes de origem animal no processo de clarificação, como proteína do leite (caseína), clara de ovo (albumina) e gelatina. Vale lembrar que nenhum destes componentes modifica o sabor e o aroma do vinho. Eles nem se mantêm na composição da bebida.Clarificadores alternativos para vinhosHá opções de produtos de origem mineral que podem ser utilizados na clarificação, como a bentonita e o carvão ativado, pedra calcária, caulino e “kieslguhr” (argilas), caseína de plantas, gel de sílica. Nesse caso, o vinho produzido pode ser chamado de vegan-friendly, amigo dos veganos. Além disso, determinados produtores utilizam apenas processos de autoclarificação natural. São chamados de “artesanais”, evitando a utilização de métodos artificiais de clarificação e filtragem, o que está de acordo com os princípios do veganismo, se tornando “vinhos naturais”. Algumas marcas de vinho têm os dizeres “não afinado e não filtrado” em seus rótulos. O que significa que não foi utilizado nenhum clarificador. Vale dizer ainda que não há legislação reguladora para a rotulagem dos vinhos considerados veganos. Alguns produtores, voluntariamente, sinalizam essa informação em suas garrafas. O vinho kosher também não utiliza clarificadores de origem animal e é elaborado de acordo com critérios rigorosos da lei judaica e sob a supervisão de um rabino.Vinho azul e totalmente vegano Uma das últimas inovações no mundo do vinho, a empresa criadora do Gik segue a filosofia vegana. Chamado de GIK, o exótico vinho azul, é produzido na Espanha a partir da combinação de uvas tintas e brancas. Não tem nenhuma denominação de origem, e é feito a partir de uvas de diferentes vinhedos da Espanha e França. A escolha da cor, de acordo com seus criadores, tem um apelo mais poético e traz a ideia de um produto inovador, divertido e com espírito jovem. Sua produção segue todas as normas de qualidade da União Europeia e não leva açúcar na composição. Possui teor alcoólico de 11,5%. Como um dos fundadores é vegano, a empresa também mantêm os princípios do veganismo ao elaborar seus produtos.ConclusãoNão queremos entrar no debate sobre a filosofia vegana ser ou não a melhor opção. O vinho do mundo é naturalmente repleto de uma grande pluralidade de ideias, portanto há espaço para todos. O que devemos levar em conta, é que ao bebermos um vinho (vegano ou não), sempre existirão duas alternativas: gostar ou não gostar. A questão do veganismo pode ser um ponto de partida, mas o que realmente importa é o quão saboroso é o vinho. E assim como fazem os veganos, apreciar bons vinhos também é uma escolha. Então aproveite, aprecie! Equipe VinumDay • um vinho para cada dia 

08 de dezembro - 2016
Já ouviu falar sobre os vinhos veganos?

Degustação de vinhos às cegas: a busca pela neutralidade

A procura de informação sobre degustação de vinhos é cada vez maior. A relação dos brasileiros com a bebida é relativamente recente, por isso é natural que a busca pelo entendimento - antes de consumir - seja o primeiro passo a ser dado. E nessa jornada, a primeira palavra que os iniciantes no vinho encontram é “degustar”. Ora, uma degustação de vinho nada mais é do que o encontro da emoção com a razão. Como assim?Degustação às cegas e degustação às clarasDegustar o vinho é apreciá-lo com atenção. O prazer de saboreá-lo está ligado às nossas emoções e agrada nossos sentidos. Por outro lado, a prática degustativa, ou seja, quando buscamos compreender em detalhes sua estrutura, nos leva a ser um pouco mais analíticos e racionais. Com o tempo de estrada, essa racionalidade entra no automático e o equilíbrio entre emoção e razão se torna natural. Dito isso, lembramos que humanos não são máquinas, e a degustação não é uma análise laboratorial. Também somos influenciáveis em boa medida, o que nos pode levar a cometer alguns equívocos. A prática da degustação às cegas tem esse objetivo. Tentar diminuir as influências inerentes a todo ser humano, de forma que a análise do vinho possa ser mais neutra, e assim, sirva de referência para um maior número de pessoas. Alguém pode se perguntar: por que, então, todas degustações não são às cegas? Ora, um degustador profissional tem como princípio a imparcialidade e seu esforço justamente é cultivá-la a cada dia. É perfeitamente possível degustar vinhos às claras e ao mesmo tempo usar das informações que ela nos fornece para realizar uma análise mais completa. É como um quebra-cabeça, que aos poucos vai se formando. Na degustação às cegas, normalmente as garrafas de vinho são encobertas, de modo que nenhuma informação é passada ao degustador. A análise fica restrita à experiência do beber. É e foi muito usada em concursos, como o famoso Julgamento de Paris, na década de 1970. As duas maneiras têm suas vantagens, por isso o melhor conselho é: pratique ambas. Isso vai fazer com que você se conheça cada vez mais e refine seus sentidos.Análises sensoriais do vinhoPara uma perfeita degustação é necessário observar os detalhes de cada etapa. Vamos listar os pontos a serem considerados: Análise visual – clareza, brilho, cor primária e secundária, sedimentos e as chamadas “lágrimas do vinho”; Análise olfativa – possíveis falhas, aromas primários, secundários e bouquet (terciários); Análise gustativa – corpo, doçura, fruta, madeira, tanino, acidez, álcool, persistência, tipicidade, equilíbrio e complexidade. Para aprofundar o assunto, elaboramos um material que pode ajudar.E-book Degustação Profissional: passo a passoDivulgar a cultura do vinho faz parte de nossa missão, por isso preparamos um material que pode ajudar a entender melhor os detalhes da degustação de vinhos. Nesse e-book, cada detalhe acima citado é analisado de forma clara e abrangente, e esperamos que acrescente mais conhecimento aos nossos leitores. Aproveite e saúde!  E-book Degustação Profissional de Vinho • Passo a Passo Equipe VinumDay • um vinho para cada dia  

30 de setembro - 2016
Degustação de vinhos às cegas: a busca pela neutralidade

Penfolds Ampola: um dos vinhos mais caros e raros do mundo

Sabemos que o imenso conhecimento alcançado pela humanidade não é – e nunca será -  baseado apenas em racionalidade. Apesar de todos os alicerces da ciência estarem pautados pela razão e imparcialidade - o que nos trouxe avanços imensuráveis, sem sombra de dúvida - muitas das belas coisas da vida são feitas de sentimento e subjetividade. Em se tratando de vinhos raros, temos a razão servindo a emoção, proporcionando uma experiência. Pressupõe não somente uma qualidade acima da média do produto, mas principalmente, que seja sentida em um determinado momento e de uma maneira específica. O conjunto de detalhes gravará na memória uma experiência marcante. Foi com esse ambicioso objetivo que a famosa casa australiana Penfolds Wine elaborou um projeto que se transformou em um dos vinhos mais raros e caros (muito caro) do mundo: o Penfolds Ampola.Cabernet Sauvignon 2004: Bloco 42 do vinhedo KalimnaFundada em 1844 por Christopher Rawson Penfold e sua esposa Mary Penfold, na cidade de Adelaide, Austrália, a vinícola é considerada a principal produtora de vinhos de alta gama daquele país. Sua história é sinônimo de qualidade e está inteiramente ligada ao reconhecimento mundial dos vinhos australianos. Em 2012, a casa decidiu chamar a atenção do mercado de vinhos de luxo com uma proposta de marketing ousada e criativa. Antes de descrevermos a proposta da garrafa-ampola, vamos ao seu conteúdo. O vinho dentro da ampola é proveniente de um único vinhedo, chamado de Kalimna, no Vale de Barossa, uma das principais regiões produtoras de vinho da Austrália. As videiras de Kalimna, plantadas no século 19, são consideradas as mais antigas vinhas produtivas de Cabernet Sauvignon do mundo. A safra de Cabernet 2004 foi considerada extraordinária, e por isso, a escolhida para o projeto. Este vinho ganhou muitos elogios e altas pontuações pela crítica especializada, como os 97 pontos de Robert Parker. No entanto, só isso não basta para que um vinho se torne exclusivo e raro. A inovação mercadológica está, justamente, na maneira que a vinícola pensou o consumo desse vinho.  O mercado de luxo dos vinhos raros.O projeto Penfolds AmpolaO Penfolds Ampola se trata de uma embalagem luxuosa para um vinho excelente. Para sua criação foram chamados artesãos como o escultor do vidro Nick Mount e Andrew Bartlett, designer de móveis em madeira. Trata-se de uma estrutura onde a ampola com 750 ml do vinho acima citado fica suspensa e lacrada, pois não há nenhuma tampa, o que o torna impossível de se fraudar. Acompanha o conjunto um certificado de autenticidade assinada pelo enólogo chefe da vinícola, Peter Gago, e uma ferramenta de tungstênio, especialmente projetada para quebrar a ponta da ampola.  Cada um dos caríssimos Penfolds Ampola é acompanhado de um certificado de autenticidade. As 12 unidades do Penfolds Ampola foram produzidas artesanalmente e são devidamente numeradas.  Oferecer uma experiência única que vale mais do que o produto em si.Exclusividade, luxo e uma experiência únicaApesar da bela peça de design, o engenhoso projeto se destaca pela exclusividade do serviço. Isso porque diante do formato inusitado da “garrafa”, o felizardo comprador não deve abrir o vinho sozinho. Após decidir abrir a garrafa, ele avisa a Penfolds, que enviará um representante da alta administração, normalmente o próprio enólogo chefe Peter Gago, para o ritual de abertura da ampola. Detalhe: em qualquer parte do mundo e em qualquer hora. Uau! E para completar a raridade do produto, nada mais exclusivo do que uma bela cifra; o preço de cada ampola é avaliado em aproximadamente $ 170 mil  dólares, ou meio milhão de reais. E para quem se interessar, a ampola de número 10 está à venda.  Veja como foi elaborado um dos vinhos mais caros do mundo.   Equipe VinumDay • um vinho para cada dia 

15 de dezembro - 2016
Penfolds Ampola: um dos vinhos mais caros e raros do mundo

Desmistificando a Relação Vinho vs. Chocolate

De elaboradas trufas às barras em promoção nos supermercados, passando pelos ovos recheados, tão em voga nessa época do ano,  o chocolate está em alta e devemos desmistificá-lo como alimento harmonizante. Vinho e chocolate não são como água e óleo; merecem andar juntos, e as combinações são muitas e deliciosas.Então, deixe-se contagiar pelo espírito da Páscoa e acompanhe algumas dicas preciosas para aproveitar ao máximo essa dupla deveras interessante.Dicas para Harmonizar Vinho e ChocolateEquilibre o Dulçor: de forma a obter o máximo de ambos, a regra sempre é a de parear um vinho mais doce do que a sobremesa. Assim, o vinho não parece nem amargo nem azedo. A dica vale também para o chocolate, geralmente. Porém, algumas exceções se mostram pertinentes. Tintos secos, jovens e maduros harmonizam bem com chocolates com alto teor de cacau. Os exemplares amargo e meio-amargo, praticamente neutros em seu teor de açúcar, podem até vir a valorizar as notas frutadas, tostadas e de baunilha presentes no vinho.Briga de Pesos Pesados: chocolates mais encorpados e gordurosos pedem vinhos à altura. Os fortificados, com sua doçura, e taninos e álcool altos, tendem a segurar melhor toda essa riqueza de sabores.Harmonize pela Semelhança: tanto vinho quanto chocolate oferecem uma gama invejável de sabores e aromas. Identifique os que, normalmente, cairiam bem com o chocolate e estão presentes também nos vinhos: bala toffee, castanhas, amêndoas, cerejas, especiarias doces, grãos torrados… Quando possível, harmonize um que remeta ao outro.Não Tenha Medo de Experimentar: saboreie também as combinações pouco convencionais. Há um sem-número de chocolates no mercado que apostam no uso de ingredientes inusitados. Use seu conhecimento de vinhos para encontrar o seu par perfeito. Chocolate com pimenta? Sem problemas! Vamos de vinhos com bom corpo e notas picantes. E com bacon? Ora, eu pensaria em outras maneiras melhores de utilizar o ingrediente sagrado, mas, por que não? Vamos de tintos defumados e evoluídos!Não há resposta errada. Como bem disse o editor da publicação americana Wine Spectator, Owen Dugan, “mesmo que não seja a harmonização perfeita, ainda assim estamos bebendo vinho e comendo chocolate, que é o que importa.”Feliz Páscoa, com vinho! 

31 de maro - 2021
Desmistificando a Relação Vinho vs. Chocolate

Fim do conteúdo

Vinho do dia
Descubra o vinho do dia
Abrir vinho do dia
Marqués de Cáceres
27/Jul

Marqués de Cáceres

Costanilla 2018

Saiba mais

Cadastre seu e-mail e receba descontos e promoções

Fechar
VinumDay

Seja bem-vindo

Você ganhou R$20 de desconto em sua primeira compra.

Deixe seu e-mail para receber o cupom.